Date a Home Magazine | Jan / Fev 2014 - Page 91

Amor À Primeira Vis(i)ta | Arrendar Com Paixão | REPORTAGEM

O Futuro

Do Futuro nada sabemos. Mas Teresa fala dos seus planos com o mesmo entusiasmo que conta as su-

as experiências, com a mesma paixão com que olha para a sua nova casa.

O primeiro será um curso de escrita criativa. Uma paixão que surgiu com a leitura e que há muito procurava satisfazer. Talvez a sua história de amor com este T1 romântico a inspire a escrever sobre os “finais felizes” que tanto procura.

A maternidade é outro desafio que quer abraçar. Diz que nessa altura terá de fazer uma gestão. Mas, para já, esta relação será para durar. Mesmo que o futuro a leve para outras paragens, este amor à primeira vis(i)ta será uma experiência que permanecerá. Mais uma história para contar com o seu discurso apaixonante.

E o que diz o proprietário?

Para Ana, a descoberta do conceito de Arrendar Com Paixão foi um acaso curioso. “Ouvi no verão pas- sado comentar na praia a um grupo muito grande de jovens.” Quando pensou em arrendar o seu apar-tamento ficou positivamente surpreendida. “É um projeto fresco, tem dinâmica. É uma equipa jovem e com paixão. Acho que existem afetos entre todas as partes envolvidas.”

Ana fez o contato, que foi respondido rapidamente. E logo aí começou esta relação de empatia entre ela e a equipa que foi visitar o imóvel e tirar as fotogra-fias. “Conversámos sobre poesia, sobre música. Depois, o Bruno pediu-me para escolher algumas músicas. Enviei-lhe três e ele escolheu aquela que tinha tudo a ver com a casa.”

Teresa foi a primeira pessoa a visitar o apartamen-to e para Ana não restaram dúvidas. “Gostava que alguém cuidasse da casa como se fosse eu. Achei que a Teresa era essa pessoa”.

O pedido de namoro confirmou a primeira impres- são de Ana e foi fator decisivo para consumar esta nova relação. “Amei aquela carta. Já quando a Teresa visitou a casa colocou sempre uma tónica romântica nos seus comentários.”

Nas palavras de Ana, as casas são a vida das pesso- as. Por isso, escolheu alguém que partilhava a mes-ma forma de estar na vida. “Há coisas nesta casa que aparentemente não têm importância, mas para mim sim. Acho que a Teresa sente o mesmo.”

Para Ana foi uma experiência positiva. Na sua opi-nião, é cada vez mais importante colocar paixão em tudo na vida..

91

“É um projeto fresco, tem dinâmica. É uma equipa jovem e com paixão. Acho que existem afetos entre

todas as partes envolvidas.”