Date a Home Magazine | Jan / Fev 2014 - Page 77

Entrevista | Arrendar Oeste Com Paixão | REGIÕES

No caso da Praça da Alegria é o pensar no programa que vou fazer no dia seguinte, prepará-lo. É um tempo fundamental, porque quando estou sozi-nho estou sempre muito agitado. Nunca estou parado a fazer uma coisa muito tempo. Se estou a ouvir música já estou a pensar em ir para o ginásio, por exemplo, pois (lá está, é o meu mundo) construí o meu próprio ginásio dentro de casa e acabo por nunca estar concentrado muito tempo na mesma coisa. E assim aproveito o tempo de viagem para me organizar, para pensar.

Quando escolheu esta casa no Oeste convidou a Tânia Ribas de Oliveira para vê-la consigo? Pediu-lhe opinião?

Claro. Foi logo! Logo ao princípio. E nem precisei de pedir a opinião porque como ela é uma pessoa transparente e muito sincera, assim que viu disse logo: “Ai, tão linda!” Gostou imenso. Uma coisa que nos motiva é ter projetos e objetivos a alcançar. E o facto de a casa precisar de obras foi para mim logo uma luta, uma motivação. E é tão bom ver as coisas a modificarem-se aos poucos e sobretudo a recuperarem-se. Porque aquilo era um patrimó-nio tão extraordinário, que era uma pena perder-se, pois mais ano menos ano era o que ia acontecer. Há ali casas com 400 anos, árvores com 400 anos...

Quem é que fez a decoração da sua casa? Pediu conselhos à Tânia, a familiares ou fez tudo sozinho?

Fui eu, com conselhos que peço a amigos. Eu gosto que as coisas sejam sobretudo acolhedoras. E gosto de variar. Por exemplo, numa casa de campo não gosto que a decoração seja acintosamente rústica. Gosto que seja um compromisso entre coisas rústicas e coisas mais citadinas. Mas gosto sempre de pedir conselhos aos amigos.

A sua carreira começou com a escrita para atuar em cafés-concerto. Como foi?

Eu sempre fiz teatro amador e um dia vi um anúncio à procura de novos talentos. Como tinha um espetáculo de café-concerto com textos meus, concorri. Ganhei a eliminatória e depois a final. Eu e um amigo mágico, na altura era um mágico. Ficámos a trabalhar lá semanalmente. Na grande final, os jurados eram, para além de pessoas desconhecidas, o Igor Sampaio e a Rita Ribeiro. O Igor, que estava no teatro nacional convidou-me para fazer um casting para uma co-produção que havia entre o teatro aberto e o teatro nacional, que era uma peça de Brecht, A Mãe Coragem. Eu fui e fiquei. Depois a Irene Cruz e o João Lourenço convidaram-me para ir para o Teatro Aberto. Mas entretanto eu construí um espetáculo café-concerto da minha autoria com a Paula Cruz e a Teresa Corte Real. E o Filipe Lá Féria foi ver, gostou e convidou-me para a Grande Noite e para a Maldita Cocaína e pronto, nunca mais parei.

fiquei. Depois a Irene Cruz e o João Lourenço con-vidaram-me para ir para o Teatro Aberto. Mas entretanto eu construí um espetáculo café con-certo da minha autoria com a Paula Cruz e a Teresa Corte Real. E o Filipe Lá Féria foi ver, gostou e convidou-me para a Grande Noite e para a Maldita Cocaína e pronto, nunca mais parei.

Além do ator e apresentador existe ainda o João Baião autor de músicas, o escritor de livros. Há algum sítio da sua casa em que se recolhe para escrever ou compor?

Depende muito do estado de espírito. A primeira letra que eu escrevi foi para os Excesso. Quando me desafiaram achei muito interessante porque só tinha escrito coisas para o café concerto, coisas mais a brincar, mais para o teatro. E foi às voltas na minha casa do Cartaxo, ali à noite com a música, a ouvir a melodia... Mas não tenho sitio certo para as coisas, nem para estudar nem para escrever, é conforme. E às vezes é na viagem que me inspiro muito.

77