Cultura RPG - Page 25

O mundo RPGístico tem passado por várias mudanças ao longo do tempo. É óbvio que são mudanças boas, mas sempre tem um detalhe ou outro que pode incomodar até mesmo os mais otimistas.

O mais importante é que a cena nacional do RPG cresce e melhora a cada dia. Nunca tivemos tantos jogos, suplementos e outros produtos como estamos tendo agora. Boa parte desse mérito podemos resumir em duas pala-vras: Financiamento Coletivo. A vaqui-nha virtual tem feito sonhos virarem re-alidade, tanto para autores quanto para jogadores. E não é só isso. Os blogs com material gratuito dão uma guinada no mercado, com materiais não oficiais e até oficiais com a ajuda de licenças abertas como o D20.

A Moostache.com.br e o acervo do Museu do RPG são exemplos disso. Fica tudo lá, bem organizado e pronto para baixar - diferente de épocas pas-sadas onde o “xerox” era o único meio de se ter acesso a materiais pelos quais não se podia pagar. Podemos afirmar com segurança que é fácil jogar RPG hoje em dia.

Aí vem mais um ponto importante: onde jogar? O número de locais para se jogar vem aumentando. Restauran-tes temáticos em São Paulo abrem espaço para mesas de RPG, deixando o clima do jogo ainda mais interessan-te. Na nossa BH, temos a Taberna dos Games com um aconchegante espaço e uma excelente localização, bem no centro da cidade. E, lógico, temos os valorosos guerreiros da Sétima Armada com seus encontros semanais e a Ethernalys RPG com seus encontros esporádicos. Novamente concorda-mos que é fácil jogar RPG hoje em dia.

A cena nacional está forte. A revista Dragão Brasil voltou e de cara tem uma matéria sobre o jogo “Cachorros Samu-rais”, do Alan Silva. A Red Box vem tra-zendo jogos gringos de qualidade e a Retropunk sempre tem novidades.

O que mais podemos esperar? Já passamos por tempestades, com notí-cias escandalosas e mentirosas envol-vendo o hobby e ainda estamos aqui. O mercado de jogos eletrônicos cresce a cada dia e ainda estamos aqui, com nossa “diversão off-line”.

É fácil jogar RPG hoje em dia e se perguntarem como está a cena nacio-nal do RPG? Podemos responder com a convicção de um “20 natural”: Estamos bem, obrigado!

A Cena do RPG Nacional e Belorizontina:

um olhar otimista na "mesa"

Rafael Alves é um dos fundadores da Associação Cultural Ethernalys. Joga RPG desde 2001, iniciando com "Vampiro: A máscara". Gosta de narrar, criar histórias, cenários e personagens. Atualmente faz postagens semanais no blog Moostache.com.br

Visite: Ethernalys | Moostache

por Rafael Alves

25