Cinema, Destination Image and Place Branding Cinema, Destination Image & Place Branding - Page 114

CINEMA, DESTINATION IMAGE & PLACE BRANDING características únicas de um destino turístico. As várias investigações sobre os filmes turísticos promocionais comprovam que estes não são só importantes devido às qualidades icónicas da paisagem, mas sobretudo à forma como os turistas personalizam e vivenciam o filme e constroem as suas próprias inter- pretações ou imagens sobre o destino (Macionis & Sparks, 2009). A relação de causa-efeito assumida entre cinema e turismo está ligada à capacidade que a película tem em criar impacto sobre a imagem dos destinos na mente dos turistas e como eles alcançam a sua gama de desejos (Macionis & Sparks, 2009). Kim e Richardson (2003) realizaram um estudo que avaliou os efeitos dos filmes turísticos sobre a imagem de um destino, baseado no processo de formação da imagem de Gartner, em que verificaram que os filmes têm um grande impacto sobre as pessoas, embora o impacto seja por um período curto de tempo, e que as imagens em movimento aumentam a consciencialização sobre os lugares representados e têm efeitos indutores de turismo. Kim e Richardson (2003) defendem ainda que um filme pode ser uma ferramenta eficaz para mudar a imagem existente e afetar o interesse das pessoas em visitar o destino turístico, podendo influenciar a imagem de forma positiva ou negativa. Por isso, o marketing na sua vertente de linguagem de turismo, pode ser desenvolvido ou ajustado criando assim as melhores opções para o destino. Um filme vai atrair diferentes públicos logo, a estratégia de gestão da imagem é necessária para atingir o público certo. Alguns foram os estudos que aludiram às características linguísticas da promoção turística. Porém, Graham Dann no seu livro “A Linguagem do Turismo“ (1996) foi o pioneiro nesta temática e introduziu a semiótica como uma ferramenta-chave para identificar e analisar os significados subjacentes de um texto ou de uma imagem. Por seu lado, o exame da semiótica no contexto do turismo baseia-se na teoria desenvolvida por Charlotte Echtner (1999). Dann (1996) sugere que os elementos verbais e visuais utilizados no material promocional turístico constituem um tipo particular de linguagem, que difere de outras formas de comunicação, e que se deve recorrer à retórica para a sua inter- pretação. Assim, Dann (1996) apresenta as perspetivas teóricas de retórica verbal e visual na linguagem do turismo: Authenticity, Strangerhood e Conflit. A perspetiva de autenticidade foi trabalhada por MacCannell, em 1989. MacCannell (1999) afirma que o que move os turistas é a busca da autenticidade numa sociedade cheia de falsidades. Defende que o que nos aproxima às outras culturas é a busca pela verdadeira vida, pelo verdadeiro “ser”, embora entenda que o grau de autenticidade oferecida ao turista é muito limitado. Ainda assim, 114 return to the content page