BLOGAZINE - Page 42

42 | Entrevista MIGUEL GOUVEIA Por: Catarina, Rititi & Margarida Entrevista | 43 Mais do que um mundo de descoberta e partilhas, a blogosfera é um lugar onde todos nós podemos arriscar mas nem todos temos essa coragem. O blogger Miguel Gouveia não tem esse tipo de medos e é um grande caso de sucesso, com uma grande legião de seguidores e comentários num blogue que se dedica à escrita leve e contagiante sobre lifestyle. Blogazine: A blogosfera, a nível de moda e lifestyle, é dominada pelo sexo feminino. No que é que o teu blogue se diferencia de todos os outros? Miguel: Sim, de facto, é verdade. O mundo dos blogues é dominado pelo sexo feminino em pleno e foi nesse sentido que me decidi lançar. Após vários meses em pesquisa e em busca de inspiração para mim próprio, vi que havia muito poucos bloguers masculinos portugueses. Nesse sentido, e dado o meu gosto pela escrita, decidi lançar-me. Queria fazê-lo sem medos e com o intuito de quebrar tabus e creio que é isso que me distingue: o facto de falar de tudo e sem medos; de envolver a moda e o lifestyle masculino em todos os níveis e, claro, de escrever acerca de toda essa panóplia de assuntos de forma muito transparente e sem rodeios. B: Como surgiu a paixão pela moda? M: Sempre gostei muito da área da moda, da beleza e do lifestyle. Desde que me conheço, sempre me entusiasmei por reportagens, revistas e sites que abordassem essa temática. Sempre gostei de roupa e acho que os meus próprios pais me incutiram isso em mim porque sempre se vestiram de acordo com as suas personalidades. A par de tudo isso, li muito acerca de tudo um pouco e foi a partir daí que a paixão surgiu. B: O que te fez criar um blogue? M: Foram vários os fatores que pesaram na altura em que decidi criar o Pieces. Em primeiro lugar, foi o meu enorme gosto pela escrita: sempre gostei de escrever acerca de tudo e acerca de nada; contudo, nunca escrevo somente porque sim. Em segundo lugar, foi o facto de eu gostar de pesquisar e de ter descoberto que, de facto, eram muito poucos os blogues masculinos que eu tinha para me inspirar. E, por fim, porque queria quebrar todos os tabus possíveis e imaginários nesta área, facto que só foi possível graças à minha persistência, ao meu empenho e aos melhores seguidores (os meus, claro). (risos). B: Sentes que arriscas quando abordas algum tema que o público poderá não estar à espera? M: Completamente. Mas já não o faço com medo. O princípio do blog foi muito complicado e algo conturbado porque não conhecia ninguém, não tinha em quem me apoiar e pensei que ninguém me iria querer ler ou saber deste género de assuntos. Publicava sempre com receio mas as pessoas começaram a ser muito recetivas. Assim sendo, comecei a arriscar mais e mais. Comecei a apostar mais no design dos posts, a ter uma linguagem mais aberta e transparente e isso cativou o meu público. É por tudo isto que já não sinto medo de arriscar porque sei que as pessoas entendem as minhas entrelinhas e entendem onde quero chegar. B: O que é que o teu blogue já te trouxe de bom? M: Muita coisa. Trouxe uma maior autoconfiança, uma maior autoestima. Mudou a minha forma de pensar, de estar e de ser. Tornou-me uma pessoa mais completa, capaz de partilhar devaneios de uma forma diferente e construída. Trouxe-me pessoas incríveis e possibilitou-me conhecer novos mundos que, até então, eram completamente desconhecidos. Ao fim ao cabo, fez-me crescer muito!