A Capitolina 5, maio 2014 - Page 5

poesia

Não reconheço meu olhar...

Que há muito tempo se perdeu,

Nas curvas de uma estrada...

Nas encruzilhadas do meu eu.

Desconheço-me

Diante deste espelho...

Face de alguém oprimido,

Face de alguém em desespero.

Não me reconheço mais, me esqueço,

Sinto-me só...

Um espantalho da meia noite

Um punhado de pó.

Um ser omisso, sem voz.

Que não amanheceu com

A luz frouxa d nascer do sol.

Eu anoiteci, me esqueci...

Guardando-me para as estrelas

Não me reconheço mais...

Sou o fantasma da lua cheia.

de leni martins

poemagotico.blogspot.com

Poesia 4

desconhecida